V Congresso Ibérico de Ecologia da Paisagem

18-19 novembro de 2021

Tópicos

Workshop on Remote Sensing for landscape monitoring: from in situ data to Copernicus services

As paisagens apresentam elevados níveis de complexidade ecológica a nível estrutural e funcional, bem como um comportamento dinâmico a diferentes escalas espaciais e temporais. Na ausência de mapas de resolução mais fina, a modelação preditiva baseada na deteção remota ajuda a monitorizar padrões e processos em resposta a uma vasta gama de necessidades e objetivos de gestão e conservação. Neste workshop terá lugar uma série de apresentações, graças à colaboração de cientistas de grande mérito de instituições espanholas e internacionais, relacionadas com o desenvolvimento cartográfico e a monitorização de diferentes componentes, padrões, processos e funções ecológicas da paisagem. Como denominador comum, a grande maioria utiliza uma combinação de dados in situ e de sensores remotos, através de algoritmos de extração de dados e de outras técnicas de análise espacial. Através do programa europeu de observação da Terra Copernicus, cujo nome estrutura este workshop, e da consequente gama de serviços e produtos, pretende-se estabelecer um grupo de trabalho específico dentro da IALE Espanha (de momento).

Mais informações sobre este LINK

Simpósio de Ecologia da Paisagem e Ordenamento e Gestão do Território

Em 1992, a Diretiva Habitats estabeleceu um novo modelo de governança baseado em sítios Natura 2000 e Habitats de Interesse Comunitário. Na sua versão mais simples, este modelo de gestão e ordenamento territorial baseou-se em três tipos de zonas: Espaços Natura 2000, Habitats de Interesse Comunitário e espaços de ligação entre os anteriores. É este um modelo espacialmente explícito, de fácil compreensão e amplamente aceito pelos responsáveis ​​pelo ordenamento e gestão territorial.

Mas a versão mais simples da transposição de cartografias previamente estabelecidas tem alguns defeitos relevantes:

  •  Uma tendência para maximizar a delimitação dos sítios Natura 2000, muitos deles ainda sem planos de gestão. Ainda não temos dados para a Península Ibérica sobre o nível de sobre-representação / sub-representação de habitats de interesse comunitário.

  •  A falta de uma metodologia acordada para a delimitação de habitats e seu estado de conservação. Cartografias muitas vezes imprecisas, devido ao dinamismo dos habitats e à dependência do manejo antrópico tradicional.

  •  Muitos tipos de agricultura intensiva de baixa intensidade não estão incluídos na Diretiva Habitats.

  •  Muitos estudos de impacto ambiental se limitam ao simples exercício de compensação (off-setting) de áreas de habitats de interesse.

Felizmente, 29 anos depois, a ciência da Ecologia da Paisagem e a estrutura conceitual dos serviços dos ecossistemas podem oferecer uma ampla gama de soluções. Este é o objetivo de um simpósio que conta com a presença del Prof. Jianguo Wu (Arizona State University, EUA), e diretor-chefe da revista Landscape Ecology, que formulou a teoria da resiliência ecológica, que se destaca especialmente por agregar aos instrumentos que analisam e quantificam a estrutura da paisagem uma camada de igual ou maior significado: a identificação dos agentes causais da dinâmica da paisagem.

Abrimos também um período com breves apresentações de 10 minutos sobre os seguintes temas:

  • Instrumentos de avaliação do estado dos ecossistemas e ordenamento territorial e urbano.

  • Modelos de governança da paisagem e Serviços dos Ecossistemas.

  • Experiências de aplicação ao ordenamento do território dos Serviços dos Ecossistemas, Capital Natural e Soluções Baseadas na Natureza.